segunda-feira, agosto 07, 2017

Ela transforma o autismo do filho em arte através dessas lindas imagens

Posted by Airton Rocha on segunda-feira, agosto 07, 2017 in
A fotógrafa norte-americana Kate Miller-Wilson tem dois filhos, um deles autista. O autismo é um transtorno que afeta o sistema nervoso e não tem cura, prejudicando a capacidade de comunicação e interação.
E Kate achou uma maneira leve e bonita de transformar toda a jornada enfrentada por ela e pelo filho diariamente em arte, através do projeto fotográfico que leva o mesmo nome do transtorno.
Nele, a fotógrafa, que vive em Minneapolis, capta imagens que considera uma verdadeira homenagem ao filho, mostrando a leveza da sua imaginação e a maneira única como ele enxerga o mundo.
O resultado é pura poesia, confira:
“Uma das grandes qualidades do meu filho é a sua capacidade de se concentrar completamente em algo. Um quebra-cabeça, um instrumento musical, a maneira como a luz faz cores nas nuvens… Ele coloca tudo de si nas coisas que ele ama, e eu tento fazer o mesmo nas minhas interações com ele.”
“Fotografar alguém com autismo nem sempre é fácil, porque para se obter um bom retrato é necessário conexão emocional. E para se conectar com alguém que sofre do transtorno, é necessário entrar no seu mundo. Aqui, ele está fingindo ser uma coruja, e as corujas são seus maiores interesse atualmente.”
Muitas vezes sinto que há algo entre meu filho e eu. Podemos ver e ouvir uns aos outros através desta barreira, mas não podemos tocar. Aqui, fotografei-o através de uma janela de gelo para simbolizar essa experiência.”
“Uma das principais características do autismo são as diferenças no processamento sensorial. O mundo pode ser esmagador com tantos sons, visões e cheiros. Mas isso também pode ser um presente. Meu filho experimenta o mundo de uma maneira que eu nunca vou experimentar.”
“Nesta imagem, meu filho está olhando para mim. Isso é algo que ele nunca faz. De alguma forma, a barreira da parede de vidro deixou que ele me visse. Às vezes, penso com nostalgia sobre esta versão dele, aquela por trás do vidro. Eu o amo do jeito que ele é, mas eu daria qualquer coisa para abraçar o menino atrás da barreira.”