quinta-feira, agosto 25, 2016

Ame!


Mesmo o desconhecido, ame!
Mesmo que não seja acolhido, ame!
Mesmo que maltratado, ame!
Mesmo que ferido, ame!
Mesmo ainda dolorido, ame!
Mesmo sentido-se traído, ame!
Mesmo estando crucificado, ame!
Pois Ele nos amou primeiro!
Isso mesmo, Jesus Cristo!
Cf. 1Jo 4,19

sexta-feira, agosto 05, 2016

Comunicar o testemunho construído na Misericórdia

O reino será alcançado pela misericórdia, essa foi uma das mensagens que Jesus veio nos comunicar e ordenou que anunciássemos para todo o mundo (Mc 16,15). A ascensão é nitidamente a completude do que Jesus mostrou como caminho para seus seguidores e todos estaremos, se seguirmos seus passos, um dia, com Ele nos céus (Mt 19,28). No entanto, é necessário cumprir seus ensinamentos, assumir a missão e ser testemunhas.

Os apóstolos foram “formados, preparados, fortalecidos” para a grande missão de evangelizar todo o mundo, anunciar a misericórdia do Pai e testemunhar com a vida. Passaram mais de 3 anos com o Senhor, O viram ressuscitado, andaram com Ele, antes e depois da crucificação. Os Santos deram e dão esses testemunhos nas mais diversas realidades. Nós homens e mulheres, desse tempo, andamos com Jesus através da Santa Igreja, seu corpo, vivemos com o Senhor em sua palavra, apreendemos saberes na tradição dos santos apóstolos, recebemos Jesus Eucarístico continuadamente para comunicar através da vida. Assim, temos a luz necessária para nossa peregrinação e para auxiliar muitos.

A humanidade precisa de luz para seu caminho, a verdade deve ser mostrada para ser seguida. Assim, Jesus que encontramos continuamente e conhecemos precisa ser anunciado! O viver em Jesus, nesse tempo, precisa ser apresentado! O santo padre Francisco em sua mensagem para o dia das comunicações veio pedir essa ação frutuosa da comunicação para o mundo. Seja no meio que for, para muitas ou apenas uma pessoa, leigo ou ordenado é necessário ser fecundo! Todos os atos são comunicação, são testemunho, “O amor, por sua natureza, é comunicação”. Os nossos atos precisam ser de amor.

Não foram poucos os momentos em que Jesus disse aos discípulos que eles ficariam responsáveis por expor e levar essa misericórdia, esse amor para o mundo, pela disseminação da boa nova em toda a terra. Chega a ser engraçado os momentos em que São Pedro não entende as indicações de Jesus, momentos que nós, eu e você, também vivemos quando entendemos que a missão é “grande ou complicada demais para nós”. Jesus nos fala, que estará com o Pai intercedendo por todos nós, enviar o paráclito é a promessa dEle, e com o poder do alto vamos cumprir a nossa missão, o nosso chamado, viver a nossa vida. Receber continuamente o Espírito de Santo é a condição primordial.

Comunicar, anunciar, proclamar, fazer memória, tornar comum e de conhecimento de todos as obras de Jesus, as ações do Espírito Santo, a Misericórdia do Pai é o que forma a Santa Igreja, é o que ela é, testemunhar o que nós somos, somos puro testemunho de uma vida no Espírito Santo. O conhecer, reconhecer Jesus, apreender seus ensinamentos, cumprir suas ordens através da Santa Igreja são fases anteriores e condicionais para O encontrar nos céus.

Os grupos de oração são uma prova autêntica e contemporânea que essas práticas podem ser realizadas. Em todo o planeta os grupos acontecem, seus participantes fazem como os primeiros cristãos, encontram-se continuamente e levam essa experiência para os demais homens e mulheres. Neles, encontramos pessoas simples, intelectuais, universitários, religiosos, todos com uma visão espiritual para a edificação da civilização do amor. Nós fazemos o que o Santo Padre pede, comunicamos o amor.

Airton Rocha

Texto veiculado pela RCCBRASIL em 08 de maio de 2016 em virtude do dia mundial das comunicações sociais.
http://www.rccbrasil.org.br/espiritualidade-e-formacao/mais-lidas-especial/1595-comunicar-o-testemunho-construido-na-misericordia.html

quarta-feira, junho 15, 2016

Estudo mostra como marcas devem interagir com os Millennials

A matéria abaixo foi publicada no Adnews e republicada na Exame.
Considero muito interessante o texto por fazer referência exclusiva à realidade Brasileira, mesmo que singela. Vemos muitas pessoas aplicarem conceitos de pesquisas realizadas em outros países sem fazer a consideração do cenário local.

A impaciência e a conectividade com diferentes canais de tecnologia são marcas do comportamento da nova geração conhecida como “millennials” (pessoas entre 25 e 34 anos).

A constatação é da pesquisa Connected Life 2016, estudo da TNS Brasil realizado com mais de 60 mil consumidores conectados ao redor de 50 países.

Os millennials querem cada vez mais simplificar o processo e acelerar as respostas - 10 minutos é o tempo que julgam suficiente para ter uma resposta quando interagem com alguma marca, por exemplo. Respeito com o consumidor também é um valor importante para essa geração.

É no mundo digital onde as diferenças de comportamento entre as gerações são extremas. Considerando que a população brasileira está envelhecendo, os protagonistas passam a ser as gerações “millennials” e “Z”.

De modo geral, o tempo de conexão dos brasileiros é um pouco acima da média da América Latina, sobretudo conexão via PC/Laptop (2,9 horas contra 2,5 horas por dia). Nesse sentido, saem na frente aquelas marcas que estão interagindo no meio digital, especificamente via celular.

Onde existem oportunidades de engajamento?

De acordo com o estudo, entre os pesquisados há claramente um compartilhamento de atenção entre TV e rede social em horário nobre. Quanto mais jovens, maior é o compartilhamento TV e redes sociais, e essa premissa se estende bem como a conversão em compras.

Em relação ao uso das redes sociais, WhatsApp e Facebook acessados pelo celular lideram o uso diário em todas as faixas etárias. Como esperado, a geração Millennials e geração Z interagem com maior número de plataformas: WhatsApp, Facebook, Facebook Messenger, YouTube, Instagram e Google+. Deste modo, as marcas devem priorizar plataformas sociais de mensagens instantâneas para se aproximarem dos consumidores dessa geração.

Existe, no entanto, um paradoxo. Conforme cresce a conectividade, os usuários passam mais tempo online, e alcançá-los em meio à quantidade de informação parece ser mais difícil do que nunca.

A recomendação que surge a partir do estudo é que as marcas encontrem a combinação certa de canais e desenvolvam formatos diferenciados de comunicação para cada meio.

Os direitos da créditos são de Adnews

sexta-feira, abril 22, 2016

Somos limitados ou fomos limitados?

Imaginemos, a seguinte situação, tempos atrás:

"Vendedores de livros"
Vocês estão lendo muitos livros!
Vamos limitar a quantidade de linhas que vocês leem por dia, se passar vocês vão pagar novamente, por cada linha lida!

"Vendedores de aparelhos de rádio"
Vocês estão passando muito tempo ouvindo rádio e muitas emissoras diferentes!
Vamos limitar a quantidade de horas que vocês podem ouvir por dia, se passar vocês vão pagar novamente, por cada hora lida!

"Vendedores de aparelhos de tv"
Vocês estão passando muito tempo vendo tv e passando por muitos canais!
Vamos limitar a quantidade de canais que vocês podem ver por dia e o tempo que fica nos canais, se passar do limite vocês vão pagar novamente, por cada hora vista e por cada canal selecionado!

Nem ética, nem moral, nem lógica e muito menos comercialmente correta, é essa limitação de banda! Tem lugar no mundo que estão colocando internet grátis e sem limites, nas ruas! As operadoras aqui no Brasil querem dar limite para os usuários.
Já passou do tempo de ter limite na conexão via celular! Deveria ser sem limites no celular também.
Temos mais de 3 operadoras, com a justificativa de aumentar a concorrência e melhorar o serviço! Mas cadê?

quarta-feira, janeiro 06, 2016

Qual o lugar certo das Redes Sociais e da Oração?

Se você tem um smartphone, com certeza já deve ter visto suas atualizações antes de ler esse artigo. Snap, Insta,Whats, Face... Todos esses aplicativos sociais já são tratados não por seus nomes de origem, mas por esses apelidos quase que íntimos. De fato, as redes sociais tornaram-se o principal ambiente de socialização de hoje, principalmente entre os jovens, como já nos ensinava o papa emérito Bento XVI, em sua carta para o Dia Mundial das Comunicações de 2013. Agora a pergunta é: você já teve o seu encontro pessoal com Jesus Cristo, hoje? Já suplicou ao Senhor o batismo no Espírito Santo para sua vida e sua família? Já alimentou a sua alma com a Eucaristia e a Palavra de Deus?


Certa vez ouvi do ex-presidente da RCCBRASIL, Marcos Volcan, em uma pregação durante o Encontro Nacional de Formação de 2008, em Brasília: “Nós cristãos acordamos e não fazemos mais o Sinal da Cruz. Temos nos levantado e deitado como pagãos!”. Infelizmente, para muitos cristãos, essa realidade “evoluiu”. Não se trata mais de esquecer de fazer o Sinal da Cruz, mas do primeiro pensamento do dia ser dedicado a essas redes e não a Deus. Em seu cotidiano, o que você faz primeiro ao acordar? Vê as atualizações no smartphone ou conversa com o Senhor?


Muitas pessoas procuram o sacerdote para pedir um conselho sobre como orar. Reclamam que se distraem muito na oração e, por isso, a abandonam, não perseveram. As causas para essas dificuldades podem ser muitas, mas com certeza entre elas poderá estar o tempo gasto com as redes sociais. Quando Deus libertou Israel da escravidão, Ele deixou o seguinte mandamento: “Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. Os mandamentos que hoje te dou serão gravados no teu coração. Tu os inculcarás a teus filhos, e deles falarás, seja sentado em tua casa, seja andando pelo caminho, ao te deitares e ao te levantares” (Dt 6,4-7). A Palavra de Deus tem essa força agregadora na espiritualidade, mas tem sido deixada de lado porque não se tem mais tempo para meditá-la! Será realmente que você não tem tempo para a oração, para a Palavra de Deus? Quanto tempo, ao longo de todo o dia, você dedica a dar uma “espiadinha” nas redes?


A situação se agrava à noite. O momento do descanso do corpo, da mente e da alma é bombardeado pelos estímulos da luminosidade da tela do smartphone e, mais ainda, do conteúdo ali presente. O quão perto estamos de ser como a pessoa que compôs o seguinte Salmo: “De noite, lembro-me, Senhor, de vosso nome; guardarei a vossa lei. Escolhi, como parte que me toca, observar vossos preceitos. Minha partilha, Senhor, eu o declaro, é guardar as vossas palavras” (Sl 118,55-57)? O quanto o nosso repouso seria melhor e mais saudável se o último pensamento antes de dormir fosse direcionado a Deus!


As redes sociais, comprovadamente, podem se tornar uma espécie de vício. Os mestres da espiritualidade têm uma dica preciosa para nos ajudar a nos livrarmos desse mal, que podemos adaptar a esse contexto: ao se deitar, desligue as notificações das suas redes sociais. Faça sua prece noturna e, ao fechar os olhos, pense em uma verdade da Fé (contida no Creio), ou em alguma virtude, ou em algum Santo ou a Virgem Maria. Fixe seu pensamento nisso até adormecer. Quando acordar, faça o Sinal da Cruz e, na prece matinal, medite sobre aquele assunto. Somente após render seu louvor a Deus e pedir a graça do Espírito Santo para o seu dia atualize suas redes sociais.


Veja bem: as redes sociais fazem parte dos instrumentos maravilhosos que o Senhor colocou à disposição do homem (cf. beato papa Paulo VI,Evangelii Nuntiandi). Não se trata de excluí-las, mas de colocá-las em seu devido lugar e termos a graça de seguir os ensinamentos do Apóstolo Paulo: “Orai sem cessar. Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo. Não extingais o Espírito” (1Ts 5,17-19).


Padre João Paulo Veloso
Coordenador Nacional do Ministério Cristo Sacerdote - RCC Brasil

Fonte: www.rccbrasil.org.br